Um por do sol baiano...

(Uma foto que tirei em algum por do sol em Salvador)

Uma carta...

Olhe, seriam tantas coisas a serem ditas a você. Talvez mais do que eu pudesse supor e menos do que eu tenha vontade de falar. É, você sabe, por vezes sou estranha...Mas por outras uma pessoa de surpresas. Mas eu juro que não sabia que você preferia a borda branca à borda vermelha daquele sapato...Eu achei tão diferente...Tão a sua cara. Como Filomena...a que foi quebrada e consertada logo depois. Aliás, nem sei como ela vai...

Olha eu não posso dizer que não tentei de todas as formas possíveis. Nunca pensei de forma diferente do que sou. Nunca esqueci daquela torta de morango da Dona Xícara. Ou ainda da nova experiência do temaki que acabou em apenas uma nova experiência de uma vez... Sempre desejei intensamente, talvez porque o amor conseguia me fazer passar por cima de todos os defeitos que pudessem existir. Assim como os que tenho, você sabe que também os tem ... Mas eu ainda passava por cima de tudo, porque ouvir sua gargalhada ou simplesmente ver esse sorriso aberto, era o "amém" certo para o quê eu sentia aqui dentro...

Olha eu não posso dizer que não esperei..sim, por mais uma vez. Esperei uma transição, uma mudança, uma bandeira branca. Não posso ser hipócrita e dizer que joguei para debaixo do tapete o amor. Que nada! Não joguei não... Mas em todas as noites que sonhei, que ainda dizia seu nome baixinho, como em uma oração, eu sentia seu cheiro. O seu, não o comercializado que você me mostrou e eu, naquele dia ainda disse: " Ah, mas é isto?"

Olha eu cheguei a pedir a Deus uma reviravolta. Talvez Ele me escutasse ou talvez Ele me dissesse em silêncio: Minha filha, acalma...Eu ainda não sei o quê exatamente Ele me falou...ou ainda me fala. Eu me via sentada na varanda de casa olhando esse céu azul que tem aqui..como tem aí e pensava: por que não entendo o que preciso entender? E até hoje não entendo...e sei que seguirei sem entender...

Olha, na verdade é uma carta...de um não sei o quê...mas ainda assim uma carta. Talvez para falar que adorava fazer "compras" com você para um frigobar pequeno ou esperar você chegar com pacotes e pacotes de Vono. Talvez para dizer que , apesar do por do sol que você não me deixava ver direito, por sua pressa de sempre, era importante estar ali com e para você...Talvez para dizer que jantar sopa de legumes com patê de atum, foi um dos jantares mais expressivos que eu pude ter...aliado a um brownie e vários cafés e chocolates e um copo imenso de um suco que não fazíamos idéia...Talvez para dizer que eu não sabia que Taviani cantava pra gente naquele dia...mesmo sem o sabermos. Talvez para dizer que simplesmente ...eu não sei...de nada..

Uma carta deveria expressar algo...essa eu não sei. Se expressa talvez seja só para mim, bem quietinha como tenho levado, bem na minha como ando encarando tudo. Uma carta deveria ter sentimento "pegável" daqueles que a gente fala e a pessoa sente lá do outro lado...em outro estado. Esta eu realmente não sei.

O que eu sei? Você poderia me perguntar mesmo sem falar , com aqueles seus olhos que se apertam quando está pensando em algo que não quer falar...mas eu te responderia: eu não sei... O que sei é sentir o cheiro, talvez ouvir a voz (em algumas noites acordei procurando, porque nitidamente ouvi um apelido)...talvez eu saiba reconhecer o escuro dos cabelos...talvez eu saiba ainda reconhecer qualquer coisa...me perdoe não me expressar tão bem como sempre o fiz...(quando te respondi ao " eu amo você, você é meu tudo")...mas infelizmente ainda não consigo essa expressão toda...

O quê eu consigo afinal? Eu poderia dizer...mas acho que não vale mais à pena...




4 Pode comentar aqui e surtar junto comigo!:

Caroline Leite disse...

ai ai ai moça, bola pra frente...
Bjooo se cuida ;)

Gisa Lima disse...

Impressionante como você consegue expressar coisas que eu tenho sentido também.
Já disse no PL e vou dizer de novo.
Obrigada por saber expressar meus sentimentos também.

Bjão Drix.

Gi.

eu disse...

:) tá linda... mesmo achando que nçao sabe, você expressa, sim, tudo o que quer... sempre.

Poetisa disse...

Sempre estaremos no processo, fim, começo, recomeço... Sabia que muitas vezes falamos e escrevemos para paredes?! E isso faz-nos remoer, passar no processador o que temos de melhor em nós, (ISSO DÓI) e assim dilacerados reconstruímos o que pessoas vampiros nos sugaram... Ja demos o sangue, a alma podemos tomar de volta... Siga firme, siga em frente, bj.